segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Filme dirigido por ex-aluno da UFPR é exibido nesta segunda-feira

O documentário “Geada Negra”, que retrata um dos episódios mais dramáticos vividos pela economia do Paraná, tem sua estréia marcada para o dia 29, às 20h no auditório do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba.

Arquivo CANETO ex-governador Jayme Canet Jr. inspeciona os cafezais devastados pela geada de 1975.


O filme tem direção de Adriano Justino, ex-aluno da UFPR, formado em Jornalismo pelo curso de Comunicação Social. Entre os entrevistados do longa-metragem está Belmiro Valverde, professor do curso de administração da UFPR, que foi Secretário de Planejamento do Estado quando ocorreu o episódio que dá nome ao filme.


No inverno de 1975 uma forte geada destruiu todos os cafezais do Paraná, que até então tinha sua economia dependente da produção de cafeeira. Este episódio, que ficou conhecido como “Geada Negra” alterou os rumos econômicos e sociais do estado. O fim dos cafezais resultou, ao longo dos anos seguintes, em um dos maiores êxodos populacionais ocorridos no Brasil e um dos maiores do mundo ocorridos em tempos de paz.

Apesar de sua importância, o fato jamais foi abordado antes no cinema. A idéia de realizar esse filme surgiu quando o diretor pesquisava informações para outro documentário, “O Dia da Neve”, ainda não lançado em Curitiba mas que está sendo exibido na TV Câmara. “As notícias da neve pontuavam três a quatro edições dos jornais. As da Geada Negra permaneceram por meses”, relata Justino. “O filme trata, de certo modo, da força da economia sobre as pessoas, de como a mudança da cultura agrícola foi devastadora para as cidades paranaenses, grandes e pequenas. As periferias das grandes cidades surgiram naquela época, e as cidades pequenas do interior esvaziaram”, explica.

Para realizar "Geada Negra", foram consultados os acervos de 21 museus, bibliotecas, televisões, cinematecas, institutos e arquivos paranaenses. A pesquisa em jornais foi feita em 17 títulos paranaenses e paulistanos. Neste garimpo histórico, um dos destaques do filme é a recuperação de raras imagens em 16mm (formato utilizado pelas tevês na década de 1970) da TV Coroados, Canal 9, TV Tibagi e arquivo do Palácio Iguaçu. “Para mim, a pesquisa de imagens antigas – sejam elas fotográficas, audiovisuais ou reavivadas na memória dos entrevistados -- é o mais interessante da jornada do documentarista. É o mais vibrante dessa arte”, comenta.

No filme há diversas fotos do rico acervo do fotógrafo João Urban e do técnico de café e fotógrafo Armínio Kaiser, que registrou o trabalho agrícola no norte do Paraná entre as décadas de 1940 e 1970. Um dos pontos altos é o raro depoimento do ex-governador Jayme Canet Jr., que apesar da fama de durão, se emociona diante das câmeras ao lembrar da Geada Negra de 1975. Ele também era cafeicultor em Bela Vista do Paraíso e perdeu tudo naquele período.

Durante o evento de lançamento haverá apresentação de materiais da época (periódicos), disponíveis no Auditório do MON, para que o público conheça um pouco mais da história da geada. Os presentes também terão a oportunidade de degustar o exclusivo café blend do Norte do Paraná, oferecido pelo Lucca Café.

A estrutura do documentário segue o modelo telefilme. Tem 52 minutos de duração total e está dividido tematicamente em 4 blocos de, em média, 13 minutos. “É um produto para tevê, dirigido a todos os públicos e baseado nos filmes expositivos do documentarista norte-americano Ken Burns”, comenta o diretor. “Além de ser um filme para se ver em casa, tem um caráter didático evidente, trata de diversos temas fundamentais para se compreender a história do Paraná e do Brasil, êxodo, modernização agrícola, formação das periferias”, finaliza.

O filme foi viabilizado através do Prêmio de Cinema e Vídeo do Estado do Paraná em 2008, na categoria Telefilme. Em atividade no cinema paranaense desde 1999, o diretor Adriano Justino tem em seu currículo uma dezena de filmes, entre eles os premiados documentários “O Rei Está Doente” (contemplado em seis festivais de cinema), “Comunidade do Sutil” e “O Dia da Neve”. “Geada Negra” tem distribuição internacional da Moro Filmes, que está em negociação com TVs a cabo. O javascript:void(0)filme procura patrocinadores para que possa ser distribuído gratuitamente nas escolas municipais e estaduais (ensino fundamental e médio) de todo o estado.


Serviço:
Lançamento do documentário “Geada Negra”, de Adriano Justino
Data: 29 de novembro, segunda-feira
Horário: 20 horas
Local: Auditório do Museu Oscar Niemeyer (MON)
Endereço: Rua Marechal Hermes, 999, Curitiba
Entrada franca
Mais informações: telefone (41) 3013-4163

Texto: Rodrigo Juste Duarte Fonte: Portal UFPR

Nenhum comentário: