terça-feira, 30 de novembro de 2010

Festival de Inverno da UFPR abre inscrições para proposta de oficinas, espetáculos e cartaz

Estão abertas as incrições para envio de propostas para ministrar Oficinas e apresentação de Espetáculos para o 21º Festival de Inverno da UFPR, que acontecerá de 9 a 16 de julho de 2011, em Antonina.

Os materiais devem ser entregues direto na Coordenadoria de Cultura da UFPR ou enviados pelo correio até o dia 11 de março de 2011. Para se inscrever, utilize as fichas de inscrição disponíveis no website do festival.

Concurso de Cartaz

Está aberto também o concurso para a escolha do cartaz do 21º Festival de Inverno da UFPR. As propostas podem ser entregues até 11 de março de 2011, de 2ª a 6ª feira, das 9h às 12h e das 14h às 18 horas, na Coordenadoria de Cultura da Proec (Travessa Alfredo Bufrem, 140 - 3º andar, Praça Santos Andrade) e estarem de acordo com o regulamento.

Mais informações pelos telefones: (41) 3310-2832 ou (41)3310-2684.
Ou pelo site: www.proec.ufpr.br/festival2011

Leia Mais…

Servidores da UFPR recebem Prêmio Funarte de Composição Clássica

Foto: Leandro Taques / Arquivo Pessoal
O maestro Márcio Steuernagel (à esquerda) e o profº Maurício Dottori (à direita) foram selecionados para o Prêmio Funarte de Composição Clássica. Os dois servidores da UFPR estão entre os seis paranaenses premiados.

O professor Maurício Dottori, do departamento de Artes, foi premiado na categoria principal, de composição para orquestra sinfônica, com a obra "A rosa trismegista, aberta ao mundo". Na categoria de música de câmara para 4 a 6 instrumentos, o maestro da Orquestra Filarmônica da UFPR Márcio Steuernagel, teve premiada sua composição "Salve Regina cum Septiens Salve".

Este ano, o Prêmio Funarte de Composição Clássica teve 384 obras inéditas inscritas. Desse total, 59 foram selecionadas para serem executadas na mais importante mostra de música erudita do país, a 19ª Bienal de Música Brasileira Contemporânea, que será realizada no Rio de Janeiro em outubro de 2011. No Paraná, também foram selecionados dois compositores da Universidade Estadual de Maringá, um da Universidade Estadual de Londrina e um compositor não vinculado ao meio acadêmico.

Professor de composição com 25 anos de experiência, Maurício Dottori está recebendo pela terceira vez um prêmio por uma composição para orquestra sinfônica. Ainda estudante, com 17 anos, Dottori teve sua primeira obra premiada. "Eu gosto de escrever para orquestra sinfônica. É um trabalho grande, mas o prêmio é uma ótima oportunidade de ver a música executada", conta o professor. Foram quatro meses de trabalho dedicados a compor a obra para uma orquestra de 80 músicos. "Cada dez segundos de música para orquestra sinfônica equivalem a 12 horas de trabalho", explica.

Muito feliz, Dottori diz estar em uma fase muito boa de produção, de muito prestígio. Professor da UFPR desde 2000, o professor vê na premiação um incentivo também para seus alunos de composição. "Foram muitos trabalhos inscritos e muita gente jovem premiada", completa.

Esta não é a primeira vez que o maestro Márcio Steuernagel tem uma composição reconhecida. Em 2007, com apenas 22 anos, Steuernagel recebeu seu primeiro Prêmio Funarte. Para o maestro, além de um grande incentivo, o prêmio oficializa a produção artística. "É uma forma de inserção social da produção cultural, passa de um sonho e se torna real", conta. "É uma iniciativa muito importante, pois nunca o Ministério da Cultura investiu tanto em produção de música contemporânea", completa.

A comissão de seleção foi composta por Antonio Ribeiro, pianista, compositor e professor da Escola Municipal de Música de São Paulo; Flavio Oliveira, compositor; Ilza Nogueira, compositora e editora do periódico Claves (UFPB); José Augusto Mannis, professor do Instituto de Artes da Unicamp; Paulo Costa Lima, professor da Universidade Federal da Bahia; Roberto Duarte, regente e diretor musical da Orquestra do Theatro São Pedro (SP) e Vânia Dantas Leite, compositora, pianista, regente e professora da UniRio.


Texto: Lais Murakami Fonte: Portal UFPR

Leia Mais…

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Filme dirigido por ex-aluno da UFPR é exibido nesta segunda-feira

O documentário “Geada Negra”, que retrata um dos episódios mais dramáticos vividos pela economia do Paraná, tem sua estréia marcada para o dia 29, às 20h no auditório do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba.

Arquivo CANETO ex-governador Jayme Canet Jr. inspeciona os cafezais devastados pela geada de 1975.


O filme tem direção de Adriano Justino, ex-aluno da UFPR, formado em Jornalismo pelo curso de Comunicação Social. Entre os entrevistados do longa-metragem está Belmiro Valverde, professor do curso de administração da UFPR, que foi Secretário de Planejamento do Estado quando ocorreu o episódio que dá nome ao filme.


No inverno de 1975 uma forte geada destruiu todos os cafezais do Paraná, que até então tinha sua economia dependente da produção de cafeeira. Este episódio, que ficou conhecido como “Geada Negra” alterou os rumos econômicos e sociais do estado. O fim dos cafezais resultou, ao longo dos anos seguintes, em um dos maiores êxodos populacionais ocorridos no Brasil e um dos maiores do mundo ocorridos em tempos de paz.

Apesar de sua importância, o fato jamais foi abordado antes no cinema. A idéia de realizar esse filme surgiu quando o diretor pesquisava informações para outro documentário, “O Dia da Neve”, ainda não lançado em Curitiba mas que está sendo exibido na TV Câmara. “As notícias da neve pontuavam três a quatro edições dos jornais. As da Geada Negra permaneceram por meses”, relata Justino. “O filme trata, de certo modo, da força da economia sobre as pessoas, de como a mudança da cultura agrícola foi devastadora para as cidades paranaenses, grandes e pequenas. As periferias das grandes cidades surgiram naquela época, e as cidades pequenas do interior esvaziaram”, explica.

Para realizar "Geada Negra", foram consultados os acervos de 21 museus, bibliotecas, televisões, cinematecas, institutos e arquivos paranaenses. A pesquisa em jornais foi feita em 17 títulos paranaenses e paulistanos. Neste garimpo histórico, um dos destaques do filme é a recuperação de raras imagens em 16mm (formato utilizado pelas tevês na década de 1970) da TV Coroados, Canal 9, TV Tibagi e arquivo do Palácio Iguaçu. “Para mim, a pesquisa de imagens antigas – sejam elas fotográficas, audiovisuais ou reavivadas na memória dos entrevistados -- é o mais interessante da jornada do documentarista. É o mais vibrante dessa arte”, comenta.

No filme há diversas fotos do rico acervo do fotógrafo João Urban e do técnico de café e fotógrafo Armínio Kaiser, que registrou o trabalho agrícola no norte do Paraná entre as décadas de 1940 e 1970. Um dos pontos altos é o raro depoimento do ex-governador Jayme Canet Jr., que apesar da fama de durão, se emociona diante das câmeras ao lembrar da Geada Negra de 1975. Ele também era cafeicultor em Bela Vista do Paraíso e perdeu tudo naquele período.

Durante o evento de lançamento haverá apresentação de materiais da época (periódicos), disponíveis no Auditório do MON, para que o público conheça um pouco mais da história da geada. Os presentes também terão a oportunidade de degustar o exclusivo café blend do Norte do Paraná, oferecido pelo Lucca Café.

A estrutura do documentário segue o modelo telefilme. Tem 52 minutos de duração total e está dividido tematicamente em 4 blocos de, em média, 13 minutos. “É um produto para tevê, dirigido a todos os públicos e baseado nos filmes expositivos do documentarista norte-americano Ken Burns”, comenta o diretor. “Além de ser um filme para se ver em casa, tem um caráter didático evidente, trata de diversos temas fundamentais para se compreender a história do Paraná e do Brasil, êxodo, modernização agrícola, formação das periferias”, finaliza.

O filme foi viabilizado através do Prêmio de Cinema e Vídeo do Estado do Paraná em 2008, na categoria Telefilme. Em atividade no cinema paranaense desde 1999, o diretor Adriano Justino tem em seu currículo uma dezena de filmes, entre eles os premiados documentários “O Rei Está Doente” (contemplado em seis festivais de cinema), “Comunidade do Sutil” e “O Dia da Neve”. “Geada Negra” tem distribuição internacional da Moro Filmes, que está em negociação com TVs a cabo. O javascript:void(0)filme procura patrocinadores para que possa ser distribuído gratuitamente nas escolas municipais e estaduais (ensino fundamental e médio) de todo o estado.


Serviço:
Lançamento do documentário “Geada Negra”, de Adriano Justino
Data: 29 de novembro, segunda-feira
Horário: 20 horas
Local: Auditório do Museu Oscar Niemeyer (MON)
Endereço: Rua Marechal Hermes, 999, Curitiba
Entrada franca
Mais informações: telefone (41) 3013-4163

Texto: Rodrigo Juste Duarte Fonte: Portal UFPR

Leia Mais…

sábado, 27 de novembro de 2010

Festival de Cultura movimenta centro da cidade

Foto: Divulgação

Festival de Cultura completa cinco anos unindo cultura alternativa e popular em três dias de oficinas e apresentações


Com o tema "Unidade em Movimento", será realizado, de 26 a 28 de novembro, na Praça Santos Andrade, o Festival de Cultura - 5 anos. O evento terá oficinas, rodas de conversa, apresentações e improvisos com o objetivo de fortalecer laços da cultura alternativa e popular.

A concentração da abertura oficial será na sexta-feira (26), na Boca Maldita às 17 horas, seguida de cortejo de maracatu até a praça Santos Andrade, onde acontece o show da banda Juruá, às 20 horas.

No sábado as atividades se concentram na praça Santos Andrade, a partir das 9 horas. Haverá oficinas de alimentação vital, yoga e dança, além de rodas de conversa, shows e apresentações de grupos folclóricos. À noite a programação na praça é voltada para a cultura latino-americana, seguida de festa na Juruhouse com DJs e bandas.

No domingo (28), a partir das 14 horas, a festa Fora da Casinha encerra o Festival de Cultura com feira de trocas, oficinas e apresentações artísticas. A programação completa está no endereço http://festivaldecultura.art.br./ .

Na primeira edição, em 2006, o evento era o Festival da Cultura da UFPR. A iniciativa reuniu diretório e centros acadêmicos e entusiastas da cultura alternativa. Em 2009, o Festival ultrapassou os muros da universidade e ocupou espaços públicos no centro de Curitiba, mantendo os participantes dos outros anos e agregando Pontos de Cultura paranaenses.

Este ano, entre os organizadores estão o coletivo Soylocoporti, UFPR, Tertúlia Produções Culturais e Velatropa.

Texto: Lais Murakami Fonte: Portal UFPR

Links relacionados
  • Acesse a página do Festival de Cultura
  • Leia Mais…

    sexta-feira, 26 de novembro de 2010

    Humorista Diogo Portugal faz show beneficente em prol do HC-UFPR

    Foto: Divulgação

    Em única apresentação domingo, dia 28 de novembro no Teatro Guaíra, o humorista Diogo Portugal apresenta o show "Portugal é aqui", em prol do Hospital de Clínicas da UFPR. A Associação dos Amigos do HC mantém com Diogo Portugal a parceria para realização de um show beneficente anual, no qual o cachê e o lucro do evento são doados para o Hospital de Clínicas.


    Desde a primeira edição em 2007, o show tem alcançado grande repercussão entre os curitibanos, atraindo mais de 4.000 espectadores em cada apresentação.

    Diogo Portugal é curitibano e e um dos nomes em destaque que representam a nova cara do humor brasileiro. O show será às 19 horas, com ingressos a R$ 30,00 (inteira). Ingressos estão à venda no Disk Ingresso, pelo fone 3315 - 0808; nas Livrarias Curitiba - Shopping Estação e na bilheteria do Teatro Guaíra.

    Texto: Assessoria de Comunicação Social da UFPR. Fonte: E-Boletim

    Leia Mais…

    quinta-feira, 25 de novembro de 2010

    MusA apresenta "A Sensibilidade da Abstração"

    A abertura acontece hoje, 25 de novembro, às 19h00



    "Fernando Velloso e Domicio Pedroso não são artistas abstratos no sentido estrito do termo, mas abstratizantes, construindo uma nova “realidade” com estruturas oníricas ou estruturas paisagísticas, dando sentido à “abstração expressiva” de Kandinsky, grande impulsionador há exatamente 100 anos das correntes abstracionistas mencionadas."
    - José Carlos Cifuentes
    Professor de Matemática e de Filosofia da Matemática da UFPR, novembro de 2010


    A Universidade Federal do Paraná, através da mais nova exposição do MusA - Museu de Arte da UFPR, presta homenagem ao trabalho pioneiro de Fernando Velloso e Domicio Pedroso em seus 80 anos no âmbito da arte e da cultura no Estado do Paraná na em "A Sensibilidade da Abstração" de 25 de novembro de 2010 a 20 de abril de 2011.

    Fernando Pernetta Velloso (Curitiba, 09 de agosto de 1930) e Carlos Domicio Moreira Pedroso (Curitiba, 28 de dezembro de 1930), duas trajetórias paralelas na arte e na cultura do nosso Estado do Paraná. Ambos nascidos em Curitiba e atuantes nesta cidade. Recebem seus ensinamentos iniciais com Guido Viaro e formam-se na 1ª turma de pintura da recém criada EMBAP (1948-1952). Também ingressam na Universidade Federal do Paraná, Velloso no Curso de Direito formando-se em 1955, e Pedroso no Curso de Engenharia permanecendo por três anos. Posteriormente realizam estudos em Paris: Velloso, no ateliê do mestre cubista André Lhote (1959-1961), e Pedroso no Centre Audio Visuel de Saint Cloud (1959-1962), diplomando-se em técnicas audiovisuais e de comunicação.
    Na sua volta em Curitiba, ambos porão em prática seu aprendizado participando ativamente dos Salões Paranaenses, sendo premiados em diversas oportunidades, e da vida cultural da cidade.

    Em 1963, Pedroso organiza o Centro Audiovisual para a Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Paraná ocupando o cargo de Diretor; Velloso idealiza e propõe a criação do MAC-PR (1970) sendo seu primeiro Diretor no período de 1970 a 1984, ocupando também outros cargos de Direção nas Secretarias de Estado da Cultura e da Justiça do Paraná em diversos períodos; Pedroso organiza, a partir de 1973, o Salão de Exposições do BADEP permanecendo por 10 anos como programador e curador das exposições desse salão, também assume, em 1981, o cargo de Coordenador do Escritório Regional da FUNARTE em Curitiba.

    Nas artes visuais, Fernando Velloso e Domicio Pedroso, junto a outros artistas do Paraná, alguns deles participantes desta mostra, contribuíram ao desenvolvimento, no nosso Estado, de uma tendência abstratizante cuja diversidade é o fio condutor desta exposição.

    Na arte, a partir de Kandinsky, o abstrato manifesta-se de dois modos diferentes: o abstrato que resulta de um processo de abstração a partir do concreto, e o abstrato que nasce abstrato, isto é, ele é seu próprio concreto. Desses dois tipos de abstrato nascem, no século XX, duas correntes do chamado “abstracionismo”: o abstracionismo geométrico, de onde decorrem na arte brasileira o concretismo e o neo-concretisnmo, tendo como suporte o abstrato que não é obtido por abstração, e o abstracionismo informal ou lírico, tendência que, desorganizando e fragmentando as formas, as recompõe na busca de novas formas de expressão.

    A arte abstratizante não é uma das vertentes do abstracionismo, ela em certa forma as precede tendo suas origens no expressionismo, no cubo-futurismo e no surrealismo. Na arte abstratizante, não há simplificação da figura, antes há a emergência da estrutura, da forma, pondo em relevo as relações mais do que os objetos. Para Carlos Leite Brandão, “Abstrair significa, segundo Mondrian, encontrar a imagem exata e matemática das relações que se encontram veladas na percepção imediata do real. [...] Nessa busca, o universal emerge e faz desaparecer o particular”.

    São, então, as relações que, na arte abstratizante, fazem emergir as figuras num processo de construção, e esse figurativismo aparente não tem uma intencionalidade a priori. No Paraná, a arte abstratizante manifesta-se a partir de meados da década de 1950, encontrando-se com as vertentes abstracionistas de caráter informal, em parte divulgadas pelas Bienais de São Paulo, nas décadas de 60 e 70. O concretismo, no Paraná, manifesta-se tardiamente em confluência com outras correntes mais contemporâneas como o conceitual, etc.
    Fernando Velloso e Domicio Pedroso não são artistas abstratos no sentido estrito do termo, mas abstratizantes, construindo uma nova “realidade” com estruturas oníricas ou estruturas paisagísticas, dando sentido à “abstração expressiva” de Kandinsky, grande impulsionador há exatamente 100 anos das correntes abstracionistas mencionadas.

    A Universidade Federal do Paraná, através desta exposição, quer reconhecer o trabalho pioneiro de Fernando Velloso e Domicio Pedroso no âmbito da arte e da cultura no Estado do Paraná.
    Esta exposição visa, então,

    a) Homenagear os artistas paranaenses Fernando Velloso e Domicio Pedroso pelos seus 80 anos.
    b) Pôr em evidência, através de estudos e obras preliminares dos artistas homenageados, o aspecto evolutivo de sua arte, salientando sua contribuição à tendência abstratizante da arte no Paraná.
    c) Mostrar, também, através de documentos, uma panorâmica das diversas atividades dos homenageados em prol da cultura no Estado do Paraná.
    d) Também, comemorar os 100 anos da primeira obra abstrata da arte ocidental devida a Kandinsky, explicitando o posterior desenvolvimento das diversas tendências abstracionistas e abstratizantes, colocando-as em diálogo com a arte paranaense num período de 25 anos, compreendido entre meados dos anos 50 e finais dos anos 70 do século XX.
    e) Comemorar os 40 anos do MAC-PR, parceiro nesta exposição, cujo idealizador e primeiro diretor foi o artista Fernando Velloso, e contribuir com as comemorações rumo aos 100 anos da UFPR (2012), destacando os 50 anos da APUFPR (2010), pondo em relevo a contribuição da Universidade ao surgimento das vanguardas em Curitiba e no Paraná, no período em consideração.

    Os primeiros anos 60 constituem um período de muita efervescência no desenvolvimento tecnológico e cultural de Curitiba, estando a UFPR no centro desse empreendimento. Em 1961, sob a condução do Reitor Flávio Suplicy de Lacerda (Reitor nos períodos de 1949-1964 e 1967-1971, e Ministro de Educação no período 1964-1966), inaugura-se o Centro Politécnico, criando-se, na seqüência, o Curso de Arquitetura e Urbanismo que, com sua tendência modernista, impulsionara o atual desenvolvimento urbanístico de Curitiba. Seria necessário destacar diversos professores e ex-alunos da UFPR de grande renome por suas contribuições ao desenvolvimento cultural e educacional de Curitiba. Especial destaque para esta exposição, no contexto das homenagens da APUFPR, será dado a Euro Brandão (1924-2000) quem fora, além de artista plástico, colaborador da revista Joaquim em finais da década de 40, membro da Academia Paranaense de Letras, professor titular da UFPR, Ministro de Educação e Cultura no período de 1978-79 e Reitor da PUC-PR no período de 1986-1997.

    Texto: José Carlos Cifuentes
    Professor de Matemática e de Filosofia da Matemática da UFPR

    Novembro de 2010


    Agradecimentos:

    Fernando Velloso, Domicio Pedroso, Alcy Xavier, Ennio Marques , Ferreira, Fernando Calderari, Ida Hannemann de Campos, Renato Pedroso, Alfi Vivern
    Fernando Bini, Ana Maria Liblik, Rolando Santos Carlos, MAC-PR, Solar do Rosário,
    PROEC-UFPR, APUFPR,


    Serviço:

    Exposição "A Sensibilidade da Abstração"
    Artistas participantes: Fernando Velloso, Domicio Pedroso, Alcy Xavier, Antonio Arney, Arcângelo Ianelli, Ennio Marques Ferreira, Érico da Silva, Euro Brandão, Fernando Calderari, Francisco Stockinger, Helena Wong, Ida Hannemann de Campos, Jefferson César, João Osorio Brzezinski, Loio Pérsio, Mário Rubinski, Renato Pedroso, Thomas Wartelsteiner, Violeta Franco, Werner Jehring.
    Alfonso Luis Bianchi Vivern (Alfi Vivern)
    Diretor do Museu de Arte Contemporânea do Paraná
    Pesquisa e Organização: José Carlos Cifuentes
    Parceria: MAC-PR/40 anos
    Apoio: PROEC-UFPR e APUFPR/50 anos
    Período: 25 de novembro a 04 de abril de 2011, de segunda a sexta, das 09h00 às 18h00 e sábados, das 09h00 às 13h00.
    Local: Museu de Arte da UFPR – MusA
    Prédio Histórico da UFPR – Praça Santos Andrade
    Entrada pela Rua XV de Novembro, 695 no 1º andar
    Informações: (41)3310-2603
    ENTRADA GRATUITA


    Leia Mais…

    domingo, 21 de novembro de 2010

    TÉSSERA Companhia de Dança da UFPR apresenta “Arthur” no TEUNI

    Foto: Douglas Fróis/UFPR
    A Téssera Companhia de Dança da UFPR apresenta no TEUNI a partir desta quarta-feira, 24 de novembro, até domingo, 28 de novembro, à platéia curitibana seu novo espetáculo “Arthur” fazendo parte da programação da grade comemorativa dos 30 Anos da Companhia previstos para o 1º semestre de 2011.

    Em 2009 a temporada oficial apresentou o espetáculo Tempo contendo importantes remontagens do repertório da primeira fase do grupo, nos anos 80, onde o reconhecimento nacional se deu por meio das premiações alcançadas nos principais festivais nacionais de dança no Brasil.

    No 1º semestre de 2010, a Companhia apresentou o espetáculo Diacronia, com remontagens baseadas num recorte específico da cronologia histórica da Téssera: as obras coreográficas que romperam com o fluxo da modernidade, apostando em elementos de teatro, simbolismos e signos da pós-modernidade.

    “Arthur” é um espetáculo de caráter inédito, marcado por uma obra completa de Rafael Pacheco, baseada na lenda do Rei Arthur.

    O espetáculo, que tem duração aproximada de uma hora, tem direção e coreografia de Rafael Pacheco, trilha sonora de César Sarti e iluminação de Luis Tschannerl.

    Texto: Téssera Companhia de Dança da UFPR


    Serviço:

    Téssera Companhia de Dança da UFPR
    Espetáculo "Arthur"
    Dias: 24 a 28 de novembro - de quarta a domingo
    Horário: 21h00
    Local: TEUNI
    obs.: os convites deverão ser retirados na bilheteria do teatro no dia da apresentação, a partir das 20h00.

    Leia Mais…

    sexta-feira, 19 de novembro de 2010

    Coro da UFPR apresenta Bramhs na Igreja Cristo Rei


    O Coro da UFPR apresenta concertos do compositor alemão Johannes Brahms no próximo domingo, 21 de novembro com entrada gratuita na Igreja do Cristo Rei.

    A obra brahmsiniana representa a fusão da expressividade romântica com a preocupação formal clássica. Em uma época onde a vanguarda estava com a música programática de Liszt e o cromatismo wagneriano, Brahms compôs música pura e diatônica, e ainda assim conseguiu impor-se.

    Com equilíbrio e paixão, Brahms elabora texturas sonoras de um tipo de beleza fecunda, que causa enlevo e faz buscar o lugar onde, dentro de cada um, a paz é de todos.

    É com este espírito que os integrantes do Coro da UFPR se apresentam sob a regência do maestro Álvaro Nadolny.

    Serviço:

    Dias: 21 de novembro
    Horário: 20h30
    Local: Igreja do Cristo Rei - Rua Padre Germano Mayer, 410
    Programa: Johannes Brahms
    Regência: Alvaro Nadolny
    Entrada Gratuita

    Leia Mais…

    terça-feira, 16 de novembro de 2010

    2ª Mostra de Música Eletroacústica da UFPR


    Acontece na quinta-feira, 18 de novembro a segunda edição da Mostra de Música Eletroacústica da UFPR. Trata-se de um concerto de obras criadas pela síntese eletrônica, modificação digital ou analógica de sons gravados, e difundidas por alto-falantes.

    Não perca!

    Serviço:

    II Mostra de Música Eletroacústica da UFPR
    Local: TEUNI (Teatro Experimental da UFPR) - Prédio Histórico da UFPR - Praça Santos Andrade, 50 – 2º Andar
    Data: 18 de novembro de 2010
    Horário: 19h
    Ingresso: Entrada Franca

    Informações: Márcio Steuernagel (3310-2640), orquestra@ufpr.br

    Leia Mais…

    quinta-feira, 11 de novembro de 2010

    MAE e Depto. de Antropologia da UFPR convidam para apresentação do livro "Arte Indígena no Brasil"


    O Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR e o Núcleo de Estudos Ameríndios da UFPR convidam para apresentação do livro "Arte Indígena no Brasil" da profª Els Lagrou da IFCS/UFRJ.


    A apresentação acontecerá nesta sexta-feira, dia 12/11/2010 na Sala 613 do edifício D. Pedro I da Reitoria, às 15h30.

    Leia Mais…

    quarta-feira, 10 de novembro de 2010

    Chegou a Agenda UFPR 2011!


    A Agenda da Editora UFPR 2011, nesta edição inusitada, trafega por lugares, personagens e curiosidades paranaenses. Um passeio que se inicia no caminho de Itupava, segue para o Largo Thereza Chritina (atual Praça Santos Andrade), em direção à Estrada de Ferro que liga Curitiba a Paranaguá, depois passa pela Praça Tiradentes para finalizar o seu percurso na Praça 19 de Dezembro, relembrando figuras importantes da nossa história, o Padre Ildefonso, o Barão do Serro Azul, a poetisa Júlia Wanderley, o artista Miguel Bakun, tudo isso intercalado por curiosidades interessantíssimas que marcam o imaginário popular do Paraná, como a chegada do Futebol em Curitiba, a passagem de Santos Dumont por Foz do Iguaçu, o voo do Zeppelin na capital paranaense, o Salão dos Pré-julgados, a inauguração da TV Paranaense e TV Paraná, ou o televizinho, a enigmática presença da múmia Tothmea no Museu Rosacruz de Curitiba.

    À venda nas livrarias e no site da Editora UFPR!

    Leia Mais…

    terça-feira, 2 de novembro de 2010

    Grupo de MPB apresenta “Pinheiros – Uma viagem com Paulo César” no TEUNI

    Paulo Cesar Pinheiro na capa de seu álbum "O Lamento do Samba"

    O Grupo de MPB da UFPR tem grande prazer em trazer ao seu público uma amostra da rica aquarela de Paulo César Pinheiro, no espetáculo: "Pinheiros – uma viagem com Paulo César" às 20h30 de 5 a 7 de novembro e de 11 a 14 de novembro no Teuni TEUNI - Teatro Experimental da UFPR com entrada gratuita.

    Paulo César Pinheiro é um compositor surpreendente. Não só pela enorme quantidade de obras ou pelo grande número de parceiros com os quais tem trabalhado, mas também pela versatilidade e capacidade de realizações tão diversas quanto as cores e ritmos do Brasil.


    Serviço:

    Grupo de MPB da UFPR apresenta “Pinheiros – Uma viagem com Paulo César”
    Direção Musical: Doriane Rossi
    Direção Cênica: Luis Berthier
    Quando: 05 a 07 de novembro e 11 a 14 de novembro sempre às 20h30
    Local: TEUNI - Teatro Experimental da UFPR
    Entrada Gratuita

    Leia Mais…

    segunda-feira, 1 de novembro de 2010

    Orquestra Filarmônica da UFPR apresenta Música de Câmara: Flauta em Foco

    A Orquestra Filarmônica da UFPR apresenta "Música de Câmara: Flauta em Foco" na Capela Santa Maria na próxima sexta, 05 de novembro e no sábado, dia 6 de novembro.

    O concerto privilegia um dos mais antigos instrumentos inventados pelo homem - a flauta – que desde o século XVIII tem levado vários compositores a utilizá-la, seja pela sua habilidade como solista de um timbre muito peculiar, seja pelo seu potencial virtuosístico e expressivo.

    O repertório passa por cinco séculos de música escrita no ocidente, destacando as obras de Gabrieli e Banchieri, Vivaldi, Frank Martin, George Enescu e Elliot Carter. O programa conta ainda com a estreia de uma composição do regente da Orquestra Filarmônica da UFPR, Márcio Steuernagel. A direção artística é de Harry Crowl e na Flauta Solo, os músicos Fabrício Ribeiro e Sílvio Jackel Neto.



    Serviço:
    Orquestra Filarmônica da UFPR - Música de Câmara: Flauta em Foco
    Regência: Márcio Steuernagel
    Direção Artística: Harry Crowl
    Quando: 05 e 06 de novembro
    Horário: dia 05/11 às 20h00 – ingresso: R$ 10,00 ou R$ 5,00 mais um kilo de alimento
    não perecível.
    dia 06/11 às 18h30 - entrada gratuita
    Local: Capela Santa Maria: Rua Conselheiro Laurindo, 273.

    Leia Mais…